quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Ri Quem Quer



Nesta sexta-feira, dia 18 de setembro, estreia nossa nova peça: Ri Quem Quer. Sob direção coletiva e com o elenco de Ana Paula Ventury, Isabel Bremide e Luiz Carlos Cardoso, o espetáculo ocorre em um momento de descontração, proporcionando um convite à liberdade do riso e do divertimento. Os performers, ora personagens em cena num palco iluminado, ora atores em divergência na cochia, mostram que o teatro é uma forma livre de expressão humana, onde o riso pode derivar dos jogos circenses, do grotesco e do ridículo do corpo, capaz de provocar as mais diversas sensações e onde o bom humor é o personagem principal desse momento cênico. Susanne Langer, no livro Sentimento e Forma, diz que o riso “é uma forma de arte que surge naturalmente sempre que as pessoas se reúnem para celebrar” os acontecimentos da vida (LANGER, 1980: 345).

Circulando em um cenário invisível e utilizando elementos cênicos provocadores do equilíbrio/desequilíbrio do atuante, o espetáculo destaca os exercícios faciais e corporais, aliados a maquiagem e ao figurino diferenciado, buscando inspiração na estética dadaísta. Uma livre expressão da arte, numa grande brincadeira com o riso. O que significa (maquiagem, figurino, corpo, grunidos) adquire significado cotidiano, revelando o que não se diz no social, o que é compilado no dia a dia.

A relação sinestésica ocorre em um convite à representatividade, quando o público é colocado no lugar do performer. Assim, ele se desloca da posição de observador para praticar oque é feito na rotina de todos: a prática do bom humor, do grotesco sem grandes pretensões, uma vez que o riso é para quem quer e para quem deseja vivenciar e praticar um momento de liberdade para sorrir e viver.



Ensaios: